, , , 1097076174234150 574096797044765
top of page

Franz Boas Antropólogo norte-americano e o Primitivismo

Por Dilva Frazão



Franz Boas – Wikipédia, a enciclopédia livre

pt.wikipedia.org


Biografia de Franz Boas


Franz Boas (1858-1942) foi um antropólogo naturalizado norte-americano de origem alemã. Exerceu influência decisiva para o desenvolvimento da Antropologia, sobretudo nos Estados Unidos. Franz Boas nasceu em Minden, Alemanha, no dia 9 de julho de 1858. Filho de um comerciante judeu e de uma professora de jardim de infância que tiveram grande influência na formação de suas ideias sobre raça e etnicidade. Cursou Física e Geografia nas universidades de Heidelberg e Bonn e se doutorou em Física, em 1881, pela Universidade de Kiel. Entre 1883 e 1884, Franz Boas realizou uma expedição entre os esquimós na ilha de Baffin, no Canadá. Em 1886 participou de uma expedição científica na Colúmbia Britânica no Canadá e nos Estados Unidos, onde resolveu se estabelecer em 1887. Lecionou na Universidade de Clark, Massachutts. Em 1899 transferiu-se para a Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque, onde dirigiu o departamento de Antropologia mais influente do país. Franz Boa especializou-se em línguas e culturas da sociedade indígena americana. Foi o fundador da “Escola Relativista”, na qual o campo de estudos era a “cultura” e sua evolução desde as sociedades primitivas. Estabeleceu que cada cultura é uma unidade formada por um conjunto de elementos inter-relacionados e dependentes. Suas ideias se opõem às teses “evolucionistas” que atribuem uma excessiva importância à noção de desenvolvimento cultural independente e que utiliza um método comparativo que impedia considerar como um conjunto as relações culturais de cada grupo. Para Franz Boas, cada cultura apresenta um desenvolvimento condicionado tanto pelo ambiente social como o geográfico, como também pela forma em que ela utiliza e enriquece os materiais culturais procedentes de outras culturas. Para Franz, as distintas culturas, inferiores ou superiores devem ser estudadas a partir de seu interior e não sob uma perspectiva “etnocêntrica”, de um observador situado em uma cultura dita “superior”. Só depois de efetuar esse estudo é que se pode fazer uma comparação das histórias tribais com o objetivo de levar uma eventual formação das leis gerais de desenvolvimento. Franz Boas dirigiu diversos periódicos, entre eles, Publications of the Jesuph Norrth Pacific Expeditions (1900-1930), Publications of the American Etnological Society (1907-1942), Journal of American Folklore (1908-1924), Columbia University Contributions to Antropology (1913-1936) e o International Journal of American Linguistics (1917-1929). Foi o cofundador da Associação Americana de Antropologia. Foi presidente da Associação Americana para o Desenvolvimento da Ciência. Franz Boas deixou uma enorme quantidade de obras, entre elas, destacam-se: “A Mente do Homem Primitivo” (1911), obra que foi considerada um dos textos fundamentais da Antropologia, “Handbook of Americanan Indian Languages, uma importante contribuição no campo das línguas pré-colombianas, “Raça Linguagem e Cultura” (1914), “Arte Primitiva” (1928), “Anthropology and Modern Life” (1929) e “General Anthropology” (1942). Franz Boas faleceu em Nova Iorque, Estados Unidos, no dia 21 de dezembro de 1942

-----------------------------------------------------------------------------------


Excerto da Obra Arte Primitiva de Franz Boas

1927- Estados Unidos I. Introdução


"Nenhum povo que conhecemos , por mais dura que seja sua vida, investe todo o seu tempo e todas as suas energias na aquisição de alimento e moradia; tampouco aquelas pessoas que vivem em circunstâncias mais favoráveis e que podem dedicar livremente o tempo a outras atividades de que não necessitam para conseguir o sustento , se ocupam exclusivamente de trabalho puramente industrial ou veem correr os dias na indolência . Até as tribos mais pobres têm produzido obras que proporcionam prazer estético , e aquelas a quem uma natureza pródiga ou uma inventividade mais rica permitem viver sem ansiedades, dedicam grande parte de suas energias à criação de obras de arte.


De uma forma ou outra o prazer estético é sentido por todos os membros da humanidade. Não importa quão diverso seja o ideal que se tenha da beleza ; O caráter geral do prazer que esta produz é em toda a parte da mesma ordem ; as rudes canções dos siberianos , a dança dos negros da África , a pantomima dos índios da Califórnia , os trabalhos de pedras dos Neozelandeses , os talhados dos melanésios , ou as esculturas do Alasca têm para eles um atrativo que não difere do que sentimos quando escutamos uma canção, vemos uma dança artística ou admiramos uma obra monumental , seja pintura ou escultura. A Mera existência do canto , da dança , da pintura ou da escultura entre as tribos que conhecemos é prova do afã de produzir aquelas coisas que causam satisfação por sua forma , e da aptidão do homem para apreciá-las.


Todas as atividades humanas podem assumir formas que lhe concedam mérito estético . O simples grito, ou a palavra não possuem necessariamente os atributos da beleza. Se acaso os têm é somente por acidente. Os movimentos violentos e incontidos que provocam a excitação do ânimo , os exercícios de caça e os movimentos que requerem as ocupações diárias são, em parte, reflexos da paixão e , em parte, determinados por necessidades práticas. Eles não têm atrativo estético imediato. O mesmo ocorre com todos os produtos da atividade industrial . Dar uma mão de pintura , cortar a madeira ou osso , talhar a pedra , não conduz necessariamente a resultados que demandem nossa admiração por sua beleza.


Todos esses atos podem, no entanto, assumir valores estéticos. Os movimentos rítmicos do corpo ou dos objetos, formas que seduzem a vista, a série de tons e modalidades da palavra agradáveis ao ouvido , produzem efeitos artísticos. As sensações musculares , visuais e auditivas são os materiais que nos dão prazer estético e que se empregam na arte.


Podemos falar também das impressões que estimulam o olfato, o gosto e o tato. Uma combinação de cheiros, um banquete gastronômico podem ser chamados de obra de arte, desde que despertem sensações prazerosas.


O que então dá a sensação de um valor estético ? Quando o tratamento técnico alcança certo grau de excelência , quando o domínio dos processos é de tal natureza que se produzem certas formas típicas , damos os processos o nome de arte e, por simples que sejam as formas, eles podem ser julgados a partir do ponto de vista da perfeição formal ; as ocupações industriais como cortar, talhar, modelar, tecer, assim como cantar, dançar e cozinhar , são suscetíveis de alcançar excelência técnica e formas fixas . O juízo da perfeição da forma técnica é essencialmente um juízo estético. Não é possível declarar objetivamente onde se deve traçar precisamente a linha de separação entre as formas artísticas e pré-artísticas , porque não podemos determinar exatamente onde começa a atitude estética . No entanto, parece certo que onde quer que se tenha desenvolvido um tipo definido de movimento, uma sucessão definida de tons ou uma forma fixa , deve- se convertê-los em uma norma sob a qual se tem de medir sua perfeição, isto é , sua beleza." Franz Boas



Arte primitiva

pt.slideshare.net


Minha pesquisa - Miriam Averbuck





57 visualizações0 comentário